10/05/18

como nada? não tenho nada...

Eu não sei se sou apenas estúpida ou se sou um caso digno de estudo sobre pessoas com doenças raras. O certo é que cada vez que me queixo de alguma dor, por muito ridícula que seja, para mim é sinal de uma doença ou problema grave. Ando desde ontem com uma dor no peito do pé, como se me tivesse caído uma pedra e me tivesse partido os ossinhos, não sei a que se deve esta dor, mas para mim é sinal de alguma coisa grave que vai evoluir de tal modo que  talvez me leve à ampuntação do pé, mas já sei que se for ao médico ele vai me já dizer que isto não é nada.
No outro dia senti uma dor no esterno ao respirar.
Auto-diagnóstico em pensamento: cancro, mas daqueles em que uma pessoa não dura mais do que dois dias.
Cheguei ao hospital o médico mandou-me fazer um exame.Eu em pensamanento: Vão me descobrir uma doença rara daquelas que mais ninguém tem. Mas não descobriram nada:zero!
É por isso que antes de ir ao médico, eu prefiro consultar Google ao menos bate sempre tudo muito certo entre as minhas pesquisas com os meus sintomas.Nas minhas consultas ao Google, eu já tive a diabetes, vários AVCS, psoríase,hipertensão, reumatismo, varicela três vezes, etc...
Mas, claro, vou ao médico e é sempre a mesma coisa, eu faço todos os exames e mais alguns, e não acusa coisa nenhuma, nada de nada, dizem-me sempre que está tudo bem, eles gostam de me enganar já percebi, tudo para eu não perder a alegria de viver. O nosso sistema de saúde realmente é muito mau...

24/04/18

Sou a pior mae do mundo porque :


Obrigo o meu filho a desligar a televisão ás 21h todos os dias. Excepto sábados ou feriados. Ele chora que quer ver o Ben Ten e mais o incrível mundo de gambal e acusa-me de ser má, e que me odeia eu controlo-me para não lhe mandar dois berros, e não lhe dar duas palmadas e ele arma um berreiro que quem o ouve a chorar deve pensar " a vizinha deve estar a bater na criança" Sou má mãe porque na hora das refeições, não existe televisão ligada. Hora de refeição é para falar sobre os acontecimentos do dia, e parvoíces em geral. Eu sei que é um erro, devia era deixar a televisão ligada de preferência no canal Panda ou melhor ainda oferecer-lhe um tablet e deixa-lo colado a ver vídeos enquanto come, ou não come,não sei nunca experimentei, aqui reina a ditadura.Eu sou péssima mãe porque não se levanta da mesa enquanto não comer , sou indiferente ao estou cheio, ou doí-me a barriga, ou não gosto. O normal seria ele dizer que não quer e eu não insistir e logo de seguida dar-lhe bolachas e um iogurte liquido ou uns cereais.Nunca o levei a um McDonalds raramente o levo a comer pizza e quando levo, obrigo-o a comer uma sopa antes da fatia de pizza e o pão de alho.Quando está doente eu vou à farmácia e la calha por vezes o xarope não ser doce custa-lhe tomar aquilo ele diz que é azedo, não presta mas eu não quero saber, enfio-lhe goela abaixo.Mereço ser apedrejada porque ele dorme na minha cama. Já sei, estou a criar um sociopata, inseguro.Quando ele acorda de noite para fazer xixi deixo-o ir sozinho só lhe acendo o candeeiro, quero lá saber se lhe vai aparecer um fantasma no corredor ele que se desamerde ."Obrigo-o" a voltar para trás e despedir-se dos tios dos avó quando sai de casa .Ensino-o a pedir desculpa sempre que é mal educado ou parvo com alguém. Eu sei, ele é uma criança tem tempo para aprender, ele corrige-se com o tempo, tem muito tempo dizem. Eu tenho é que o deixar ser livre e destravado fazer o que quer,dizer o que bem entende. De facto, onde é que já se viu, estar a tentar criar uma criança com valores, transmitir-lhe o que está certo e errado, ele tem é que falar de futebol, de facto é muito cedo tentar educar um miúdo para se consciente dos seus limites. O melhor é mesmo fazer que não vi, assobiar para o lado e dizer :oh é uma criança. Devia era trata-lo como um tótó. Tudo o que ele me pergunta eu respondo de um modo natural. Tudo errado, devia-lhe dizer que os bebés vêm das cegonhas e merdas assim.Desde que nasceu nunca falei com ele em linguagem apalermada. Eu sei o meu filho é um ignorante nunca soube que bumba é agua.Não lhe dou o meu telemóvel para as mãos nem que ele esteja mais chato e possuído do que a miúda do exorcista. Dou-lhe é duas palmadas do rabo e obrigo-o a ir dormir um sono.Grito-lhe, ponho-o de castigo quando não tenho mais paciência pra conversas pedagógicas com voz de Eduardo Sá. As vezes estou em modo de ditadora : Quem manda asou eu. E ponto final e se tiver que levar duas palmadas no rabo leva.Todos os dias converso com ele antes de adormecer, "massacro-o" com conversar onde lhe explico porque é que por exemplo não lhe posso comprar tudo, porque é que este mês não pode ter isto, talvez no mês seguinte.Como o dinheiro custa a ganhar as horas que tenho que estar longe dele a trabalhar pra ganhar dinheiro e que não é possível termos tudo o que queremos. Erro dos grandes eu devia era prometer que compro tudo que tenho dinheiro pra tudo mas fazia me de esquecida ate ele desistir de pedir.
Ainda com todos estes meus defeitos de péssima mãe tenho um filho feliz, que é querido, que é carinhoso, que às vezes tem mau feitio.Nunca deixei de ser a mãe que sempre fui desde o primeiro dia. Podia ser uma melhor mãe ? Podia! se fosse mãe só ao de fim de semana .

23/04/18

Amo-te porque...

porque tens mau feitio suportável
porque és um amor comigo
porque confias em mim
porque podemos falar de tudo
porque somos acima de tudo amigos
porque me fazes ser segura
porque me entusiasmas
porque me dás vontade de comer
porque me fascinas
porque me prendes
porque me dás liberdade
porque me fazes feliz
porque és lindo
porque és frontal
porque cozinhas bem
porque temos cumplicidade
porque és dolorosamente honesto
porque és unico
porque tens bom gosto musical
porque gostas de flores
porque  não me largas a dormir
porque fazes me sorrir
porque és imperfeito
porque és ternurento
porque gosto de adormecer nos teus braços
porque és irresistivél
porque fazes as tarefas domesticas
porque fazes boas sopas
porque aceitas que eu seja cabeça no ar
porque posso ser quem sou
porque já nos percebemos, até nos silêncios
porque me deixas ansiosa quando não estás
porque gostas de me servir
porque gostas de passar um dia na cama
porque te adoro
porque estou apaixonada por ti.
É por isto e por muito mais que te amo

22/04/18

Gajos...

Ela : Estou a pensar fazer umas aulas de dança.
Ele : Que dança?
Ela : Ainda não sei  se jazz contemporâneo ou pole dance... Vou fazer as aulas gratuitas e ver...
Ele: Sim. Faz amor.
Ela :É um professor a dar as aulas aquele do programa "dança comigo" o Ricardo Silva !!!
Ele :Ai o caralho.Vai á merda.Já não acho piada!

Loucos são os sonhos, que tenho ao dormir...

Não sei se a propósito de estar a escrever a peça a carochinha,  se por ser informada  de dois casamentos que vão surgir, ou se foi um pré aviso, o certo é que esta noite sonhei que me estava a casar. Um casamento todo ele fora de vulgar e agora que penso nisso e sei que foi um sonho, já posso achar piada, havia ali ideias muito originais para um casamento. Mas no sonho fartei-me de chorar. Estava tudo à minha espera e do noivo e nós estávamos juntos numa espécie de bastidores. Eu a chorar, a pedir-lhe para irmos embora que eu não queria casar. Ele a passar-se da cabeça a dizer que eu devia ter dito mais cedo, porque se tinha feito comida para 300 pessoas. Estava ali a familia dele, que ninguém ia achar piada. O senhor padre  a dizer que estava na hora. O noivo a informar o padre que afinal não havia casório. O senhor padre abanar a  cabeça a olhar para mim e virar as costas a dizer  "eu já ão digo nada ,  esta gente é doida"
Eu a sugerir ao noivo que ligasse a um casal solteiro que nos quisesse substituir.Ele, todo dinâmico a ligar , mas ao mesmo tempo a dizer que eu era parva, mas apesar de ser parva que me amava,  que quando achava que não o podia surpreender em mais nada, lhe fazia uma destas, eu argumentar que no fundo ele concordava mas só se estava armar. Mas eu sempre a chorar.Entretanto tudo isto já estava a acontecer numa esplanada eu ainda vestida de noiva ele de noivo. Eu a dizer que estava ridículo com aquela roupa. O meu irmão mais velho a encher-me os ouvidos, que eu era a pessoa mais idiota do mundo inteiro, que a famila estava toda toda de trombas. Eu sempre a dizer ao noivo  para irmos  embora que já eram duas da tarde iamos dormir a sesta. Os amigos a despedirem-se e a felicitarem-nos. Até que finalmente o noivo  abandonou aquele local comigo e fomos os dois vestidos com roupa normal de mão dada não sei para onde porque entretanto acordei.  No fundo agora que penso nisto até acho piada. é uma história de amor bonita é sim senhor.
De quando em vez também sou acometida por estes sonhos ridículos e quando acordo sinto-me  estúpida. São muitas as vezes em que tenho sonhos completamente parvos quase escrevia uma livro com eles, lembro-me de muitos.


E vocês, pessoas normais ? Há por aí mais gente com sonhos apalermados?

13/04/18

É ironia, senhores!É ironia







Oh, senhores, foi ironia grossa. Poucos a perceberam e muitos enxovalharam logo o homem.
Eu li o artigo uma três vezes e fiquei sempre com a mesma impressão : ironia!
Resumindo o texto, o que nas entrelinhas está escrito é isto : Anda o nosso país tão preocupado com as crianças da Síria , e vêm agora estes paizinhos das crianças com cancro pedir atenção do nosso governo!
Ou seja estamos tão preocupados com o que se passa lá fora ( que é grave) e esquecemos dos nossos próprios problemas aqueles que temos em casa, nos corredores dos nossos hospitais. E numa de ironia o José Diogo Quintela compara : o que é uma criança a fazer quimioterapia num corredor comparado com uma criança da Siria? Isto não é uma especie de pensamento silencioso do nosso governo. O que ele de facto quis dizer foi : O problema que temos dentro de casa , no nosso corredor,  e as condições em que tratamos a saude dos nossos filhos não é tão grave como o que se passa na Siria! Mas é o nosso problema!!! Aquilo que se lê num texto irónico tem o sentido oposto do que lá está escrito. É assim que se lê a ironia. É um risco escrever com ironia porque o impacto pode ser corrosivocorrosivo, como foi o caso.
E muitos dizem mesmo que fosse ironia, há coisas com as quais não se brinca.
E voltamos outra vez ao tema dos limites do humor. 
Há piadas sobre racismo, pedofilia, doenças, religião. Quem é que estabelece os limites? Onde é que está escrito sobre com o que é que se pode ou não fazer humor? Porque é que o facto de eu ficar melindrada com determinado assunto faz com que outra pessoa não possa fazer piadas sobre isso? Cheira-me que estamos perante uma guerra de liberdades. Aquela coisa muito bonita que diz que a liberdade de um acaba onde começa a de outro. Mas, neste caso, que liberdade prevalece? A do ofendido ou a do que sente que pode fazer piadas sobre qualquer coisa?
O facebbok faz mal a muitas almas! Partilha-se a opinião de acordo com a leitura que interessa fazer.Nem tentam perceber o que o autor quis escrever! Não! Assim que leram a frase " pais terem a lata de reclamar as condições em que os filhos fazem a quimioterapia", tau, instalou-se o circo! Porque  esta besta devia ter um filho com cancro para ver como era, para mim grave é desejar que alguém tenha um filho com cancro! E ainda dizem : como é que é possível fazer uma piada com um assunto como este, e rebéubéu pardais ao ninho.  A minha mãe morreu com de cancro, cá em casa fazíamos piadas com o tema. Brincávamos com as sessões de quimioterapia, ela própria achava piada e ria-se com a nossa parvoíce.
A mim que  apesar de brincar com a minha mãe sobre o tema, sofri em ver a minha mãe morrer todos os dias devagar é me permitido fazer umas piadas sobre o tema? ou sou um poço de insensibilidade? 


Eu percebo perfeitamente que haja sensibilidades diferentes tal com a inteligencia para ler as entrelinhas e pensar fora da caixa.
Revoltante é haver quem se preocupe mais com um texto mal interpretado do que as condições em que uma criança faz quimioterapia.

como nada? não tenho nada...

Eu não sei se sou apenas estúpida ou se sou um caso digno de estudo sobre pessoas com doenças raras. O certo é que cada vez que me queixo de...